Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

snacksoverthecounter

Conta-me as tuas histórias. Fica para ouvir as minhas

snacksoverthecounter

Conta-me as tuas histórias. Fica para ouvir as minhas

03
Jul18

A minha vida em Londres - Parte 1

Alguém falou em viver fora do país? Sim, falaram e eu fui.
Lembro-me de achar que aquela seria a oportunidade da minha vida e acabadinha de sair do secundário: A ideia soava a fantástico.
Ladeava essa ideia com um medo congelador. Ir viver para aquilo que parecia ser um outro planeta, sem falar uma palavra de língua (excepto 7up, porque é a primeira que se dá na escola dos jantares com os pais)... E eles, ainda para me dificultarem mais a vida, não tinha aderido ao euro e eu acho que paguei uma serie de coisas, pelo menos três vezes.
Parti em Março de 2012 e aterrei naquilo que pareci o Colombo mas algumas dimensões bem maiores. Era um dos maiores aeroportos do mundo e eu tinha ido poucas vezes ao Colombo.
Aterrei e não fazia ideia para onde ir. Nem fazia ideia que ia entrar tantas vezes na casa de banho dos homens sem dar conta.
Havia imensa gente sisuda com aquelas almofadas ao pescoço, muito próprias de quem passeia de avião e copos de plástico com tampa que tresandavam a café.
Eu levava a ideia de uma cidade esmagadoramente inglesa e cheia de regras e princípios muito próprios. Achava que as pessoas eram mais pontuais que os relógios e que a rainha havia de estar em Buckingham a acenar (daquela forma esquisita) aos seus súbditos.
A surpresa é que era um niquinho diferente.

 

[gallery ids="56,55" type="rectangular"]

Londres é fatidicamente frio mas não tem nada a ver com a Antárctida. É impossível não se aprender sobre outras culturas: As europeias, as americanas, as asiáticas e as Portuguesas (As mais engraçadas).
Aliás a cultura Portuguesa adquire um nível cómico muito maior "lá fora". É a mais cómica, vá.
Mas ninguém pára  para beber o chá das cinco. Param a cada 15 minutos para beber o chá de todas as horas.
E a história da pontualidade britânica também tem muito que se lhe diga. A estação do centro tem filas de uma hora. Ninguém será capaz de chegar a horas.
A alimentação também não não é o que era. Passou a historia o Fish and Chips e aquele feijão com bacon ás 5 da manhã para dar lugar aos nacos de coiratos dos Polacos e Romenos, o caril de tudo e mais alguma coisa dos asiáticos, os kebabs dos turcos, os buffets dos chineses e claro o Big Fish from Portugal.
Sabem bem do que estou a falar, não sabem?
A electricidade é carregada através de uma pen e o verdadeiro Inglês acha que Portugal só existe do Algarve para baixo.
Mas a cidade, essa, é maravilhosa.
Falo-vos disso num próximo dia. Num dia em que já consiga conter a emoção de ter vivido num sítio que me abraçou a alma.

10 comentários

Comentar post